quarta-feira, 6 de maio de 2009

"Não ter obrigação de falar é uma felicidade."

Desta vez não tive dificuldade em lembrar o login para o blog. Fiz o e-mail exclusivamente para postar - sem a obrigação - e não me importei em desaparecer. Caracu-com-ovo, identidade feita às pressas, estava realmente com necessidade de escrever à época.

Agora me sinto mais à vontade do que nunca, o blog foi esquecido. Acontece que estou em transição. Escovei os dentes no quintal, olhando para o céu. Não existe sinal mais forte, encarei as estrelas. Raspei a cabeça, sou uma careca que usa xampu.

Sinto, sinto mesmo, falta de falar. Ao contrário do que pensei, o silêncio não me evoluiu na arte da escutatória. Tenho poucas pessoas para escutar, talvez seja mais fácil começar com pouco. Eu fujo delas. Não é nobre fugir. Amigo blog, por acaso é nobre dar um espírito pobre em troca de sorrisos e cumprimentos sinceros? Creio que não. Exijo a anulação dessa balança de nobreza que criei há vinte segundos.

Durmo em posição fetal, a posição dos carentes. Não estou mal, pois sinto vontade de fazer alguém sorrir. Eu sorriria junto. Quero abraçar algo, apertar meu peito contra qualquer coisa. Hoje envolverei o saco de pancadas pendurado no meio do quarto com os meus braços, e sei que vou rir disso. Rir de mim mesma, do saco, de Olavetes, de Galvão Bueno e Rubens Barrichello.

Cigarros estão caros, geladeiras estão baratas. Tenha uma boa noite, Internet. Acordarei com Direito Administrativo, Direito Constitucional, Arquivologia, Licitações, Português, Raciocínio Lógico e Conhecimentos Específicos. E você, Internet, acorde, simplesmente acorde.

3 comentários:

Kamilla disse...

Eu já li os novos textos umas vinte vezes. Vinte vezes cada um. Já olhei todas as novas mudanças, todos os menores detalhes, tudo. E daí vem a segunda parte "comentar ou não comentar?". Já demorei meia hora pra chegar aqui. É que com você eu sempre tento me encher de cuidados, tento fazer as coisas mais certas, tento acertar os detalhes, tento estar em um nível de mim que não atinge a grande maioria. Não que isso seja bom ou importante, mas eu acho que é o melhor de mim.
E é por isso que às vezes até tenho medo de comentar aqui. haha!
Eu fico pensando nessa tal transição, qual será a Hannah de agora? Será que ela irá me suportar ainda? hoho!
E eu fico feliz por voltar a ter vontade de falar, mesmo que queira fazer isso lentamente. Enfim... qualquer coisa que te faça bem é válida.
Eu acho que já falei coisas sem nexo demais. E se quiser pode sorrir junto comigo.

Um beijo.

Eu caçador de mim disse...

Vc escreve com um desapego desconcertante...

Veneno Antimonotonia disse...

mesmo com um ano de intrvalo, seus textos me marcaram a tal ponto.. continuam me marcando... uma qualidade desconcertante. Um jeito de escrever tão real, tão natural...impossível parar de lê-la..